Aprenda agora a ser um Leitor de Alta Performance

Blog Alta Perfomance

Junte-se àqueles que querem receber conteúdos e estratégias práticas para melhorar a efetividade pessoal!
 

*Eu quero receber os e-mails e informações do blog

A imagem é uma publicidade convidando para clicar em um botão. Com os dizeres EXPERIMENTE CLICAR E DESCUBRA AGORA COMO É POSSÍVEL FICAR PREPARADO PARA VENCER SEU MAIOR DESAFIO! E um botão QUERO VER AGORA!

Ser um leitor de alta performance é ter alto nível de capacidade de entendimento e ser capaz de ornar a inteligência com boas leituras.

Ler livros é mais do que um passatempo e muito mais que aprender fatos. Muitos universitários adquirem a erudição que a letra proporciona. Mas o objetivo da leitura é fazer o leitor compreender e aprender o significado do que leu. Quando se lê por erudição, aprendem-se fatos, decoram-se afirmações e não se discute com elas.

Mortimer J. Adler, autor do livro Como Ler Livros, em colaboração com o Charles Van Doren, um manual para habilitar quem tem sede de saber, quem deseja aprender com as boas literaturas, ensina um método de leitura capaz de fazer que seja possível aproveitar os ensinamentos de grandes clássicos literários.

Essa orientação é extremamente necessária porque a maioria não consegue ler um argumento que requeira consideração crítica. Há leituras que tencionam apenas entreter, outras, informar, sem apresentar novas explicações’ porém, há conteúdos que forçam reavaliação de todos os fatos, causam perplexidade.

 

Como ler de modo a aprender bem?

Antes de iniciar nas técnicas ensinadas por Mortimer Adler, é preciso entender que é impossível ler todos os grandes livros já escritos; portanto, um aspirante a bom leitor deve:

  1. selecionar bem os livros;
  2. saber qual a melhor ordem a seguir nas leituras desses livros;
  3. saber como ler.

Adler nos ensina que ler é uma atividade ativa. Requer esforço. Na verdade, quanto mais esforço, melhor a leitura.

Há dois tipos de classificação da leitura:

  1. modo horizontal, que são os tipos de literatura que existem (poesia, teatro, prosa, história, ciência e filosofia).
  2. modo vertical, que é a profundidade que cada conteúdo requer do leitor (elementar, inspecional, analítica e sintópica).

 

Ao utilizar a metodologia adequada, o leitor estará apto para absorver as mensagens e as discussões que os grandes autores travaram.

Por que é importante saber isso? Imagina que você pegou um livro para ler. Para aproveitá-lo melhor, é necessário classificar o tipo de leitura. Se, por exemplo, for sobre filosofia, exigirá leitura sintópica, porque, se for utilizada uma leitura elementar, o conteúdo abordado não será absorvido. Ademais, perde-se-à tempo se for utilizado método vertical mais aprofundado, e o texto só requer leitura elementar.

Para dominar determinado assunto, é necessário que haja reflexão a respeito dele. Essa é a etapa subsequente ao entendimento.

Vale comparar o processo de leitura utilizado com um jogo de Futebol Americano. Imagine que o arremessador é o autor, e o apanhador, o leitor. Para entender determinado assunto, o apanhador deve pegar qualquer tipo de bola que o arremessador lançar. Por isso, precisa se esforçar mais do que o próprio autor do livro.

Há grande diferença entre ler para se informar e ler para entender. Você pode ler determinado assunto, compreendê-lo, mas não ter aumentado o seu nível de conhecimento nem o seu entendimento sobre o assunto.

Ao terminar de ler um livro, é natural que o leitor saiba os temas abordados, mas pode não avançar em matéria de entendimento. A boa leitura desenvolve a capacidade de compreensão e aumenta o cabedal de conhecimentos.

Assim, é essencial a escolha do autor, no sentido de que ele seja detentor de amplo conhecimento a respeito do tema escolhido para ser lido, mais do que o leitor.

 

Porque Leitor de Alta Performance

Nesse viés, percebe-se mais um princípio da ALTA PERFORMANCE que defendo: desafiar-se, ou seja, sair da zona de conforto para que haja desenvolvimento pessoal. Em outras palavras, para subir no degrau do entendimento, você precisa se esforçar na proporção do nível que deseja alcançar.

Por um lado, algumas pessoas, após lerem um livro, conseguem fazer sínteses, comparações, relações com outros conteúdos, outras teorias. Por outro lado, alguns compreendem exatamente o contrário do que o autor quis dizer. Há, ainda, os que apenas se lembram do assunto, mas não conseguem fazer conexões, comparações ou discorrer sobre o que leu.

Isso ocorre porque, na maioria das vezes, faz-se leitura elementar, em vez de leitura analítica ou sintópica.

Ler com o intuito de apenas somar mais um título a relação de livros lidos, pode afagar o ego, mas quem deseja aprender prefere o esforço da leitura ativa à formalidade burocrática da leitura dinâmica, que não permite incorporar o conteúdo do livro à própria consciência.

No dizer de José Monir Nasser, isso é cultura. Cultura, no sentido ciceroniano da palavra, é o processo de beneficiamento do espírito. Por isso, é necessário entender bem o livro para aumentar o horizonte de consciência que se tem sobre a vida, sobre a estrutura da realidade, e a própria condição humana.

Portanto, é preciso sair grande da experiência da leitura; maior do que quando se entrou nela.

Níveis de Leitura:

 

MÉTODO ELEMENTAR

Nesse nível, o objetivo é a compreensão básica do vocabulário e das frases. É a maneira mais rasa de ler.

É a leitura que mostra que a capacidade que o leitor tem de ler, de decodificar as palavras.

Há 4 Estágios de Leitura Elementar:

  • 1º Estágio – Até 6, 7 anos –

    É importante não acelerar esse estágio, para que a pessoa não fique desestimulada a ler.

  • 2º Estágio – Dos 7 aos 11 anos –

    Começa a aprender a ler, e a ter vocabulário com cerca de 300 a 400 palavras.

  • 3º Estágio –

    Nessa fase, a pessoa expande o vocabulário de forma considerável e começa a perceber os diferentes tipos de leitura.

  • 4º Estágio –

    Agora, a pessoa é capaz de comparar as leituras e começa a se formar como leitor.

 

LEITURA INSPECIONAL

É uma leitura rápida, não completa.

Nesse nível, o leitor analisa o livro para saber se vale a pena a leitura.

Essa análise é importante porque muitas vezes lê-se um livro inteiro, na expectativa de que ele aborde determinado o assunto que se deseja, mas isso não acontece. Tempo perdido!

Orientações para a leitura Inspecional:

1.1) examine a folha de rosto, leia o prefácio.

1.2) examine o sumário, observe se o livro destaca o tema de seu interesse ou apenas o aborda ampassã.

1.3) Leia a capa, a contracapa, as orelhas e a biografia do autor.

1.4) Folheei os capítulos, leia alguns parágrafos para ter uma ideia do que o livro está tratando.

 

LEITURA ANALÍTICA

É uma leitura completa.

Seguem algumas regras para utilizá-la:

1ª Regra: Classifique o LIVRO.

Identifique qual é o tipo de literatura.

Por exemplo, se é livro expositivo, é preciso saber se é de história, de filosofia, etc.

Leia com atenção o título e subtítulo.

Identifique se o livro é teórico ou prático, pois demandam atenção diferente.

 

2ª Regra: Expresse a unidade central do livro em uma única frase ou parágrafo.

É preciso saber explicar o livro em uma única frase ou em um pequeno parágrafo.

Com esse exercício, você saberá se está utilizando argumentos periféricos ou se conseguiu identificar a ideia central do livro.

Se não conseguiu, é porque provavelmente não entendeu a unidade central do livro.

Exemplo: Livro A ÉTICA – Aristóteles

“Trata-se de uma investigação sobre a natureza da felicidade humana e uma análise das condições sob as quais a felicidade pode ser adquirida ou perdida, deixando claro o que os homens devem fazer e pensar para se tornarem felizes e evitarem a infelicidade. A ênfase principal está no culto das virtudes, tanto morais quanto intelectuais, embora outros bens também sejam reconhecidos como necessários à felicidade, tais como riqueza, saúde, amizade e uma sociedade justa onde viver.”

 

3ª REGRA: Faça um MAPA do Livro.

Descubra quais são as partes principais do livro e como estão relacionadas com a Unidade Central dele e também como estão relacionadas entre si; ou seja, há o argumento principal e, para embasar esse argumento, há os periféricos que dão base ao principal, verifique como eles se relacionam.

Nessa análise, será possível identificar se os argumentos que sustentam a unidade central do livro são coesos ou não.

 

4ª REGRA: Verifique qual o problema que o autor quis responder.

Identifique quais as perguntas segundarias que o autor fez para responder às principais.

 

5ª REGRA: Destaque as palavras-chaves e entre em acordo com o autor.

Isto é, verifique se o conceito que você está dando à palavra é o mesmo dado pelo autor. Para tal, verifique o contexto. Esse trabalho requer esforço e atenção.

 

6ª REGRA: Destaque as frases importantes e as proposições que elas fazem.

Uma vez identificadas, tente explicá-las com suas palavras. Se apenas repetir palavras do autor é porque não compreendeu.

 

7ª REGRA: Encontre os argumentos do autor.

Para isso, identifique as conclusões do autor. Identificadas, verifique quais foram os argumentos que o levaram a tal conclusão. Quando o autor fala que comprovou algo ou que é evidente ou de fácil suposição sua tese, é provável que esse seja o argumento do autor.

 

8ª REGRA: Descubra quais foram os problemas que levaram o autor a escrever o livro.

Identifique se ele deu solução satisfatória aos problemas que apresentou.

 

LEITURA SINTÓPICA

Nessa momento, você não só vai ler o livro, mas também vai compreender aquele assunto abordado nele. Faça uso de leituras paralelas, consulte outros artigos a respeito do mesmo assunto.

Nesse nível, você poderá sintetizar, analisar, criticar e  avaliar se os argumentos do autor foram bem construídos e, inclusive, dar a sua própria opinião a respeito do assunto.

Essa é a modalidade de leitura que proporciona o aumento do nível de entendimento do leitor, o crescimento espiritual e a aquisição da percepção para elevar a mente dele.

 

Anote as regras básicas para uma análise crítica:

  • Você precisa ter entendido para dizer se concorda ou não com ela. Nem sempre é possível emitir opinião, lendo apenas uma obra do autor.
  • Quando discordar, argumente, de maneira sensata, sobre o porquê dessa divergência. Perceba que a verdade nem sempre está com a gente; portanto, mesmo que esteja contra sua opinião, deixe o livro falar por si e, se os argumentos forem melhores que os seus, adote-os.
  • Respeite a diferença entre opinião e conhecimento e apresente as razões para os julgamentos críticos que fizer. Para criticar um pensamento, é preciso se basear em conhecimentos, argumentos racionais e não apenas em opiniões.

 

 

O sistema de Adler é matricial e o último nível de profundidade de leitura, a sintópica, é a que deve ser utilizada pelo acadêmico que está fazendo pesquisa multifocal de determinado livro.

Mortimer Adler nos ensina a ler bons livros. É necessário escolher obras que estejam acima de nossa compreensão, para aumentarmos nossa capacidade de intelectual. Esses livros obrigam o leitor a se esforçar para entender o conteúdo deles.

José Monir Nasser redigiu o prefácio da última edição do livro de Adler e, além disso, apontou interessantíssima distinção que caracteriza as literaturas, qual seja, o grau de certeza que a obra literária possibilita ao leitor.

No dizer do saudoso Nasser, nos gêneros literários (ficção e não ficção), que são possibilidades de discursos humanos, há uma escala crescente de certezas. Ou seja, se a comunicação começa pela poesia, há apenas uma possibilidade de certeza, na medida em que se utiliza o teatro e a prosa, aumenta-se a gradação de certeza. Nesse sentido, quando a literatura é expositiva, há probabilidades de certeza. Por fim, quando se trata de filosofia, há certeza política.

Nesse recorte, quando juntamos a poesia à filosofia – a poesia é início e a filosofia é o final – damos um salto qualitativo, porque a filosofia chega a ponto de dar a entender que se esgotaram todas as possibilidades de explicação. Daí, quando a filosofia acaba, só é possível usar a criatividade, porque só conseguimos compreender o mundo a partir da nossa imaginação.

 

“Tudo que chamamos de conhecimento humano

é sempre de natureza mítico-poético.” José Monir Nasser

 

Essa metodologia de leitura vai lhe ajudar a ser mais consciente nas leituras, a compreender e a fixar melhor os conhecimentos, capacitando-lhe a aproveitar os textos de excepcionais autores das civilizações ocidental e oriental.

Parafraseando Mortimer Adler, a arte de ler consiste em ter habilidades necessárias para, na leitura de um bom livro, elevar a mente de uma compreensão menor a uma maior.

Boas leituras!

 

Confira outros posts do blog alta performance:

Conheça e siga nossos Canais nas Mídias Sociais. Interaja e fale conosco pelos nossos perfis e saiba das novidades em primeira mão.
Twitter
 Facebook Instagram Youtube

Leitor de Alta Performance, Leitor de Alta Performance, Leitor de Alta Performance, Leitor de Alta Performance por Mortimer Adler.

Coloque o seu email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!

ATENÇÃO

*Eu quero receber os e-mails e informações do blog